Martha Rocha, primeira Miss Brasil, morre aos 87 anos

Martha Rocha, primeira Miss Brasil, morre aos 87 anos

Ex-miss morava em uma casa de repouso em Niterói Publicado em 05/07/2020 – 20:26 – Por Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro A ex-miss Brasil Continue lendo »

Leonardo Villar, ator de Pagador de Promessas, morre aos 96 anos

Leonardo Villar, ator de Pagador de Promessas, morre aos 96 anos

 O ator foi vencedor da Palma de Ouro do festival de Cannes Publicado em 03/07/2020 – 21:58 Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil – São Paulo O ator Leonardo Villar morreu hoje (3), Continue lendo »

Registro digital de veículo está disponível em todo o país

Registro digital de veículo está disponível em todo o país

Pará foi o último estado a começar a usar o documento eletrônico Publicado em 02/07/2020 – 05:27  – Por Agência Brasil* – Brasília A versão digital do Certificado de Registro e Licenciamento Continue lendo »

Projeto da Funarte apresenta espetáculos e oficinas pela internet

Projeto da Funarte apresenta espetáculos e oficinas pela internet

Bossa Criativa – Arte de Toda Gente estreia hoje, às 18h Publicado em 30/06/2020 – 12:37 Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro Estreia hoje (30) o projeto Bossa Continue lendo »

Operação da PF combate fraudes no transporte escolar em Minas

Operação da PF combate fraudes no transporte escolar em Minas

Editais tinham cláusulas que restringiam a competitividade   Publicado em 30/06/2020 – 12:30 Por Karine Melo – Repórter da Agência Brasil – Brasília Desvios de recursos do Programa Nacional de Apoio ao Continue lendo »

Cidadãos poderão avaliar serviços públicos digitais pela internet

Cidadãos poderão avaliar serviços públicos digitais pela internet

  Interessados deverão inscrever-se em página do Ministério da Economia Publicado em 28/06/2020 – 09:48 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília Os cerca de 2 mil serviços públicos Continue lendo »

Google vai veicular notícias com acesso aberto em nova ferramenta

Google vai veicular notícias com acesso aberto em nova ferramenta

Serviço deverá estar disponível no Brasil até o fim do ano. Publicado em 27/06/2020 – 18:47 Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil – Brasília O Google anunciou uma nova ferramenta por Continue lendo »

 

Governo lança 130 serviços digitais durante pandemia de covid-19

© MARCELLO CASAL JR (Reprodução)

Chegam a 700 os serviços digitalizados desde janeiro do ano passado


Publicado em 23/05/2020 – 15:38 Por Jonas Valente – Repórter Agência Brasil – Brasília

Durante o período da pandemia do novo coronavírus, o governo federal divulgou a criação até o momento de 130 serviços digitais, entre eles aplicativos que ficaram famosos, como o do auxílio emergencial. Ao mesmo tempo que deram acesso aos cidadãos de benefícios e atividades importantes, as aplicações também levantaram debates sobre  exclusão e proteção de dados pessoais.

Com as 130 novas alternativas online, o governo chegou a 700 serviços digitalizados desde janeiro do ano passado. Entre eles estão o auxílio emergencial, solicitação de auxílio-desemprego, saque do abono salarial, emissão do comprovante do cadastro único e obtenção da carteira de trabalho.

Além disso, o governo elenca entre os serviços disponibilizados com foco na prevenção e combate à pandemia, o site com informações sobre o tema e o mapa de ações e insumos e equipamentos distribuídos.

O aplicativo (app) coronavírus-SUS foi lançado com dicas de como evitar o contágio, orientações do que fazer em caso de sintomas, indicação de unidades de saúde próximas do usuário e envio de notificações e atualizações pelo Ministério da Saúde, reunidos no portal único (.gov.br). De acordo com o ministério, em abril 14 milhões de pessoas acessaram o site.

Auxílio emergencial

O auxílio emergencial foi o benefício de maior escala lançado pelo governo federal, já tendo sido pago a mais de 50 milhões de brasileiros. O  acesso foi condicionado ao ato de baixar o programa e a sua utilização.

Para Mariah Sampaio, pesquisadora do Centro de Estudos em Comunicação, Tecnologia e Política da Universidade de Brasília, em que pese o app ter um design fácil, a oferta do benefício por uma aplicação de internet traz riscos de excluir um contingente que precisa dele.

Ela lembrou que, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) contínua de abril de 2020, cerca de 48 milhões de brasileiros não têm acesso à Internet. De acordo com a pesquisa TIC domicílios, do Comitê Gestor da Internet no Brasil, a conectividade entre pessoas que recebem até um salário-mínimo era de 47%.

“Por mais que o sistema seja oferecido como uma alternativa de facilitação, eu questiono o que estamos fazendo para romper o distanciamento entre o Estado e a população. Somente a tecnologia é capaz de reduzir essa lacuna? Até mesmo dentro do ambiente digital, estamos atingindo a população que está conectada?”, questionou a pequisadora.

Conforme o Ministério da Cidadania, a pessoa que deseja acessar o auxílio não precisa fazê-lo no seu celular, mas precisa utilizar um aparelho deste tipo e cada telefone só pode fazer uma inscrição. Assim, o interessado não pode utilizar um celular de outra pessoa que pretende pedir o auxílio também. Para quem não está conectado, mas está no cadastro único, o recebimento é automático.

Para quem não está no cadastro, não é necessário ter pacote de dados para fazer a solicitação do auxílio. A equipe da pasta informou que estabeleceu parceria com os Correios para permitir o requerimento nas agências, mediante preenchimento dos dados.

Proteção de dados

O centro de pesquisa em internet e sociedade Internetlab analisou aplicativos de diversos entes públicos, entre eles o governo federal, no contexto da pandemia sob a ótica da privacidade e proteção de dados. O estudo analisou a exposição dos usuários dos apps a riscos, classificando como baixa, intermediária e alta.

No aplicativo do governo foi identificada exposição alta a riscos, incluindo os aplicativos coronavírus-SUS e auxílio emergencial em relação a garantias definidas na legislação. Os apps analisados não informam sobre as medidas de segurança para os dados coletados.

O estudo avaliou se os programas possuem política de privacidade, se ela é acessível, ou se informa quais dados são coletados e a possibilidade de tratamento posterior. O app coronavírus-SUS não tem política de privacidade. O app do auxílio emergencial também não traz normas relacionadas à coleta e tratamento de informações dos usuários. Apenas a Caixa Econômica tem política de privacidade, de forma geral, para todos os serviços online.

“Se os aplicativos analisados não informam a respeito do tratamento que realizam para os objetivos do app, também não o fazem quanto a um eventual tratamento posterior dos dados, isto é, para outras finalidades além daquelas que o usuário consentiu. Considerando o potencial que os dados coletados têm de fornecer informações e qualificar o debate público e pesquisas a respeito da pandemia, esses novos usos deveriam ser considerados”, informam os autores do estudo.

A Agência Brasil entrou em contato com a Caixa e com o Ministério da Saúde sobre as conclusões do estudo e aguarda retorno.

Edição: Maria Claudia

Agência Brasil / EBC


É proibida a reprodução, total ou parcial do conteúdo sem prévia autorização.
+