Lava Jato: PF investiga contratos de telefonia, internet e TV paga

Lava Jato: PF investiga contratos de telefonia, internet e TV paga

Agentes cumprem 47 mandados de busca e apreensão Publicado em 10/12/2019 – 10:13 Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil  * São Paulo A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (10) a 69ª fase Continue lendo »

Sequestro na Lapa termina depois de mais de oito horas

Sequestro na Lapa termina depois de mais de oito horas

Todos os reféns foram liberados e a polícia prendeu sequestrador Publicado em 29/11/2019 – 22:57 Por Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil  * Rio de Janeiro Depois de mais de oito horas de Continue lendo »

Governo conclui obras de pavimentação da BR-163, no Pará

Governo conclui obras de pavimentação da BR-163, no Pará

Serviço foi feito pelo 8º Batalhão de Engenharia e Construção   Publicado em 28/11/2019 – 17:05 Por Pedro Ivo de Oliveira – Repórter da Agência Brasil * Brasília Considerada o segundo maior corredor logístico do Continue lendo »

Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,3 anos

Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,3 anos

Dados de pesquisa foram antecipados no Diário Oficial da União Publicado em 28/11/2019 – 07:53 Por Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil * Rio de Janeiro A expectativa de vida ao nascer no Brasil Continue lendo »

Com recursos do pré-sal, supercomputador brasileiro volta ao top 500

Com recursos do pré-sal, supercomputador brasileiro volta ao top 500

Publicado em 25/11/2019 – 19:55 Por Léo Rodrigues – repórter da Agência Brasil  * Rio de Janeiro Com a capacidade expandida de 1,1 petaflops para 5,1 petaflops, o supercomputador Santos Dumont voltou a figurar Continue lendo »

 

Criador da WWW propõe contrato para “consertar” internet

31 20:13:4 (Reprodução)


Publicado em 26/11/2019 – 06:45

Por Jonas Valente – Repórter da Agência Brasil * Brasília


Um grupo de 80 organizações, lideradas pelo criador da World Wide Web, Tim Berners-Lee, divulgou proposta de novo contrato para a internet, com o objetivo de servir como guia para a formulação de medidas e políticas públicas relacionadas ao ambiente online. Governos, empresas e entidades da sociedade civil são convidadas a endossar o documento, disponível em um site específico.

A iniciativa surge em meio a críticas acerca de malefícios associados ao mundo virtual, da difusão de notícias falsas e discurso de ódio ao abuso no tratamento dos dados e falta de segurança, com vazamentos e crimes cibernético. O propósito é que a internet seja acessível aos cidadãos e possa voltar a ser um espaço seguro para seus usuários.

O documento é formado por um conjunto de princípios, materializados em metas a serem assumidas pelos diversos agentes. Para os governos, um dos compromissos é garantir que todos possam se conectar à internet. Entre as metas estão conectividade a 90% da população até 2030, assegurar que pacotes de 1 giga não custem mais de 2% da renda média em 2025 e 70% dos jovens com habilidades de lidar com tecnologias digitais até 2025.

Os autores sugerem políticas públicas de incentivo fiscal para estimular investimentos, compartilhamento de infraestrutura e medidas de acesso aberto nas grandes redes de atacado, além de autoridades regulatórias com poder para promover essas ações. Essas estratégias devem ser estruturadas em torno de planos nacionais de banda larga voltados a atender parcelas excluídas da população.

Direitos

Também dirigido aos governos está o princípio de respeito à privacidade e a direitos relacionados aos dados dos usuários. A concretização passa por leis disciplinando a coleta e o tratamento de dados, assegurando como base a obtenção do consentimento livre, informado, específico e não ambíguo. Tais normas devem trazer os direitos aos titulares de acessar suas informações, opor-se a um tratamento ou a uma decisão automatizada, corrigir registros e fazer a portabilidade para outros controladores.

A promoção desses direitos envolve também limitar o acesso a dados de pessoas por autoridades ao que é necessário e proporcional ao objetivo, ancoradas em leis claras, vinculadas a ações motivadas pelo interesse público e sujeitas à análise do Judiciário. O texto recomenda que os próprios órgãos públicos diminuam a coleta de dados dos cidadãos e fiscalizem essa prática pelas empresas, de modo a verificar se ela corresponde à legislação e é feita de forma transparente.

Inclusão

Para as empresas, o contrato inclui princípios como ofertar internet acessível, que não exclua ninguém de seu uso e construção. Esse compromisso está ligado à presença de serviços e ferramentas que atendam à diversidade da população, especialmente aos grupos mais marginalizados. É o caso da disponibilidade de recursos em diversas linguagens, inclusive de minorias étnicas.

Uma internet inclusiva envolve também um serviço com continuidade, o fomento a redes comunitárias, a proteção do princípio da neutralidade de rede (o tratamento não discriminatório dos pacotes que trafegam) e a preservação de velocidades equivalentes de download e upload, de modo que os usuários possam ser não somente consumidores mas produtores de informação.

Outro compromisso proposto às empresas é o de desenvolver tecnologias que promovam o bem-estar e combatam abusos, de modo a potencializar a web como bem público e colocar as pessoas no centro. Essas companhias devem considerar e serem acompanhadas sobre como suas inovações geram riscos e impactos ao meio ambiente ou promovem direitos humanos, equidade de gênero e os objetivos de desenvolvimento das Nações Unidas.

A efetivação da prática envolve, segundo os autores do contrato, a consideração da diversidade da sociedade por meio da criação de canais de escuta aos públicos usuários e atingidos por essas tecnologias. A representação de grupos diversos deve estar também na composição da força de trabalho empregada na produção desses equipamentos.

Cidadãos

Para os cidadãos, o contrato convoca à participação na web como criadores e colaboradores, construindo comunidades fortes e comprometidas com o respeito à dignidade humana, e não utilizando as tecnologias digitais para práticas nocivas, como abuso, assédio ou difusão de informação íntima que viole a privacidade dos indivíduos.

O documento conclama os cidadãos a lutar por uma internet mais democrática e empoderadora. A mobilização passa pelo alerta por ameaças contra a internet e seu emprego como instrumento que provoque danos por parte de governos, empresas ou grupos privados. Os agentes do setor devem olhar para o futuro da internet como um bem público e um direito básico, conclui o texto.


Edição: Graça Adjuto
ATENÇÃO: Proibida a reprodução total ou parcial, sem autorização.
+ +
516818f96ee4c6a670af1c633b42627e jt0PqJln__RF0EooOzTmEF_pmqiQsbQDTN2dzQeL1rY